Momentos PibVitória

HALLOWEEN by Delane Souza

É o chamado “Dia das bruxas”.

Trata-se de uma festa introduzida no Brasil através dos intercâmbios estudantis e dos cursos de inglês, copiando prática norte-americana.

É uma festa pagã que os gauleses levaram para a América do Norte. Fazia parte da religião animista dos celtas, herdada pelos gauleses. Adoravam, como ser supremo, o deus-sol, acompanhado de duendes, gnomos e bruxas. Seus sacerdotes, chamados de druidas, eram influentes guias espirituais, praticantes da magia e da feitiçaria.

A noite do dia 31 de outubro foi escolhida porque os celtas criam que, nesta data, deveria ser comemorado o ano novo. E que, nesta passagem de ano, o véu, que separava o mundo dos vivos do mundo dos mortos, se tornava tão tênue que facilitava a passagem dos mortos para o nosso mundo. Estes mortos, então, viriam para fazer cobranças aos vivos, assustá-los, matar seus rebanhos, destruir suas propriedades e até matá-los.

As pessoas, com medo, acendiam grandes fogueiras, querendo com isto representar o sol e sua luminosidade e, assim, invocar a sua proteção. Organizavam festas, com mesas fartas à espera destes espíritos e, ao mesmo tempo, para enganá-los, vestiam-se de preto e colocavam máscaras. Eram fantasias de bruxas, feiticeiras e duendes, que sempre foram vistos como adoradores de demônios, além de detentores de poderes maléficos e ocultos. Hoje, crianças à espera da mesa farta, usando estas fantasias, fazem a pergunta que seus antepassados criam que os espíritos poderiam fazer: “Gostosuras ou travessuras? ”

As “gostosuras” aplacariam as intenções dos espíritos. Caso contrário, há veriam as “travessuras” (cobranças, sustos, mortes etc.).

Este passado está bem presente, pois vemos a cada dia crescer o satanismo, a feitiçaria, a bruxaria, seja através de fatos escabrosos, seja de uma maneira suave, sutil, pérfida e enganosa.

No mundo literário contemporâneo, os autores que abordam a bruxaria ou que se dizem bruxos, têm-se tornado “best-seller”. Como Harry Potter, personagem-bruxo infanto-juvenil, criado por uma escritora inglesa, já foi traduzido nas principais línguas conhecidas. É hoje o livro mais lido do mundo! Virou filme de sucesso.

No Brasil, temos Paulo Coelho, que por dois anos foi preletor do Encontro de Davos – Suíça, que reúne autoridades econômicas de todos os países. Além das palestras e dava consultas aos participantes, tão concorridas, que precisava fazer horas-extras durante o Encontro. A situação mundial não poderia ser outra!

Existem os jogos eletrônicos e vários aplicativos, que abordam, simulam e aplicam estas técnicas satânicas, levando os participantes a crerem que se trata apenas de uma diversão.

A Bíblia nos alerta: “Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrina de demônios. (I Tm 4.1).   E mais: “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. ” (Ef. 6.12). E ainda: “Antes digo que as coisas que eles sacrificam, sacrificam-nas a demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber do cálice do Senhor e do cálice de demônios; não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa de demônios. ” (1 Co. 10.20-21). (Grifo por nossa conta.)

Por mais inocente que pareça, nesta festa é glorificado outro senhor, o senhor das trevas!

Nada tem a ver conosco e com a nossa fé!

Dc. Delane Souza

Diácono da PibVitória